12 de jun de 2018

Dragonsphere


Atualmente jogos point-and-click em geral estão saindo pelas mãos de pequenas desenvolvedoras indie, mas nos anos 90 esse foi um dos tipos de jogo para computador mais destacados e populares, com grandes empresas lançando títulos desse estilo no mercado... a lista é imensa... "The Secret of Monkey Island" *; "Alone in the Dark"; "Maniac Mansion"; "Phastasmagoria"; "Sam & Max Hit the Road"; "Grim Fandango"; "The Dig"; "The X- Files Game"; "Full Throttle"; "King's Quest V: Absence makes the Heart goes yonder"... Dá para ficar o dia inteiro nisso...
Em um gênero com tantos títulos, é praticamente inevitável que alguns tenham recebido menos atenção que o merecido. Foi o caso de "Dragonsphere" lançado pela fabulosa MicroProse, estúdio que teve entre seus fundadores o próprio Sid Meier, em 1994. Embora não tenha sido um fiasco, "Dragonsphere" acabou caindo na seara dos jogos cult, conhecidos por um público limitado porém fiel.

História e Roteiro



Gosta de fantasia medieval? Gosta de contos de fada? O roteiro "Dragonsphere" é basicamente um romance de fantasia medieval, com alguns toques de contos de fada aqui e ali, feito sob medida para você. 
A história se passa no reino de Gran Callahach, habitado por várias raças como fadas e metamorfos mas dominado principalmente pelos "fair" (humanos). De tempos em tempos, um feiticeiro malévolo de outro mundo, Sanwe, surge no reino e exige um pesado tributo em colheitas, gado e riquezas (aparentemente até velhos feiticeiros malignos tem que comer), caso contrário Gran Callahach conheceria a extensão de seu poder da pior forma possível, até que, 20 anos antes do início do jogo, o rei de Gran Callahach, com a ajuda do velho mago da corte Ner- Tom,  consegue aprisionar Sanwe dentro de sua fortaleza atrás de barreiras mágicas. 
O feiticeiro Sanwe jura vingança mas não sobre o rei e sim sobre seu filho, o jovem príncipe Callash, que na época contava apenas com 13 anos. O mago Ner- Tom cria um artefato mágico para vigiar Sanwe- uma esfera de cristal com um dragão em seu interior. A esfera representa a barreira mágica e o dragão, o próprio feiticeiro maligno. Quando a esfera começar a rachar e o dragão em seu interior se mover, é que a libertação do bruxo é iminente.
Com a morte de seu pai, Callash agora é coroado rei, e (como tinha que ser) pequenas rachaduras começam a aparecer na esfera de cristal. Agora o recém- empossado rei deve viajar por todo canto do reino e achar uma maneira de deter o feiticeiro Sanwe e sua vingança.
Apesar de alguns poderem apontar uma, à primeira vista, limitada criatividade para o roteiro, a história é bem costurada, além de contar com algumas boas surpresas no correr da trama. 

Gráficos



Para a época em que foi lançado, os gráficos de "Dragonsphere" eram realmente bons, de ponta. O tempo cobrou seu preço? Sim, mesmo que dessa vez não tenha sido um preço tão alto assim. 
Os cenários ainda são bonitos, mesmo que passem longe de serem HD. Quanto aos personagens, sua animação e movimentação ainda são bem fluidas, embora a aparência esteja um tanto baça, não muito bem definida, para os padrões de hoje, em especial no rosto/ face dos personagens. Apesar do leve "serrilhado" visível, todos os personagens são reconhecíveis e bem diferentes entre si, sendo o sprite do rei Callash obviamente o que recebeu mais atenção.

Música e Efeitos Sonoros

A trilha sonora de "Draonsphere" é bem adequada para um jogo de ambientação de fantasia medieval. É um trabalho competente, razoável, mas não marcante. Na verdade, o principal defeito a ser apontado na trilha sonora é a semelhança que a maioria das músicas tem entre si. Eu escolheria como minha favorita a música do menu inicial, que tem um tom capa-e-espada mas mais sombrio.
Os efeitos sonoros não engrandecem nem atrapalham o jogo. São o esperado, sem nada de especial. O ponto fraco é que a atuação de alguns dos atores que emprestam suas vozes aos personagens é bem típica de ator ruim, bem canastrona mesmo. A mãe e a esposa do rei, por exemplo,  não parecem estar cientes da tensão da situação, com vozes pouco expressivas. O próprio rei Callash em geral se expressa em um tom monocórdio, beirando o inexpressivo. As vezes parece que os atores que fizeram o trabalho de dublagem simplesmente leram as falas no papel que lhes foi entregue, sem de fato tentar entrar no clima da história.

Controles e Jogabilidade



Como é um jogo de point-and-click, o jogo possui um ritmo mais lento, não demandando muito do quesito jogabilidade. Os controles respondem bem e basicamente são dados através do mouse,  direcionando a seta para o ponto desejado e clicando para selecionar pessoas ou objetos no cenário com os quais se quer interagir, usando as ações pré- definidas em uma lista no canto inferior esquerdo (Look. Talk to, Take, etc). 
Se você não está acostumado com esse tipo de jogo, aconselho ler o manual de "Dragonsphere" antes de jogar, pois este é bem didático. Caso contrário... vá em frente e jogue. Não há nada de estranho aqui para alguém já familiarizado com esse gênero.

Dificuldade

"Dragonsphere" não é um jogo grande mas, de fato, possui alguns trechos bem chatos, até mesmo frustrantes, que vão tomar um bom tempo do jogador ( como passar pelos guardiões do labirinto na cena das sprites). Jogos point-and-click em geral tinham pelo menos alguns puzzles mais complicados ou custosos de se resolver, e "Dragonsphere" não é exceção. Em termos gerais, a dificuldade de "Dragonsphere" está na média dos títulos de point-and-click dos anos 90- o que não significa que seja fácil!

Comentário Final


"Dragonsphere" não é o que foi produzido de mais excepcional em seu gênero naquela época, mas é um jogo bem feito e divertido, que merecia um pouco mais de reconhecimento nem que fosse apenas entre os fãs desse estilo específico. Se você gosta de jogos point-and-click, "Dragonsphere" tem tudo para te agradar. Se você não é lá muito próximo desse gênero, mas gosta de fantasia medieval, a história do jogo pode te prender, então vale a pena dar uma chance. Lembre-se... em um trecho ou outro, paciência é um pré- requisito.

NOTA: 7,0


* Observação 1: "The Secret of Monkey Island" já recebeu um review aqui no blog. Para conferir é só clicar no link: https://oldschooldigger.blogspot.com/2016/03/the-secret-of-monkey-island.html

* Observação 2: "Dragonsphere" está disponível para compra tanto na loja Steam quanto na GOG. Originalmente foi liberado gratuitamente na GOG, juntamente com outros jogos como "Teenagent" e "Lure of the Temptress", mas atualmente é um título pago.
E eu recebi o jogo gratuitamente na época que me cadastrei na GOG ( hehehe... lero-lero... lero-lero).

Nenhum comentário:

Postar um comentário