12 de mar de 2014

Dragon Quest



   Acho que poucos discordam que os RPGs são um dos gêneros de jogos de videogame mais populares. Todo console que espera ter uma boa receptividade tem que investir nesse filão, detentor de público bem numeroso, em especial das franquias japonesas, os popularmente chamados JRPGs (Japanese RPGs).

   Falando em JRPGs, acredito que valha a pena relembrar o jogo que deu o pontapé inicial nesse gênero: "Dragon Quest", jogo da Enix lançado em 1986 para o NES e um dos primeiros JRPGs lançados no Ocidente. Como era de praxe na época, foi rebatizado nos EUA, passando a ser conhecido como "Dragon Warrior" nesse lado do globo terrestre (Provavelmente os yankees acharam que "Dragon Quest" soava inócuo demais e preferiram um título mais agressivo). A franquia foi um grande sucesso e nove sequências seguiram o primeiro jogo, sendo os jogos 2, 3 e 4 inicialmente lançados para NES, e posteriormente relançados para SNES, enquanto os jogos 5 e 6 foram lançados diretamente para o SNES.



   Foi o jogo que definiu e lançou as bases do que viria a ser o filão dos JRPGs. Elementos como o grande mapa do mundo visto de forma panorâmica (top down perspective), exploração de cenários para encontrar itens e passagens secretas, encontros aleatórios com monstros... tudo isso foi lançado por "Dragon Quest". Mesmo outras franquias de jogos já existentes acabaram definindo sua forma "clássica" graças a esse jogo, adotando para sí elementos lançados por “Dragon Quest”, tais como receber pontos de experiência e ouro após combates vitoriosos. 

   Isso não significa que o próprio "Dragon Quest" por sua vez não deve nada a ninguém! Esse pioneiro sofreu influência e teve elementos seus inspirados ou baseados em RPGs ocidentais como "Wizardry" e "Ultima". Tal fato, entretanto, em nada desmerece ou diminui a importância de "Dragon Quest" no mundo dos videogames.


História e Roteiro



   "Dragon Quest" possui um clássico roteiro de aventura estilo "Fantasia Medieval". Pegue sua pipoca e lata de refrigerante e leia com muita atenção, ao som de música de alaúde: 

Nos dias antigos, o reino de Alefgard estava mergulhado nas trevas, até o lendário herói, Erdrick derrotar o mal utilizando a Esfera de Luz (Ball of Light). Após salvar o reino, Erdrick  entregou à guarda Esfera de Luz do rei Lorik, que então finalmente consegue unificar Alefgard. 

   A paz durou muitos anos, muitas gerações de homens, até que durante o reinado de Lorik XVI a Esfera de Luz  foi roubada do castelo Tantagel pelo maligno Dragonlord. Mais uma vez As sombras inundaram Alefgard. Muitos viajantes e mercadores foram mortos pelas bestas e monstros sob o comando do Dragonlord. Cidades e vilas foram destruídas. Pântanos e brejos venenosos começam a se alastrar pelos campos.

   Muitos bravos guerreios e aventureiros tentaram recuperar a Esfera de Luz, mas nenhum retornou do castelo do Dragonlord, Charlock. A própria filha do rei Lorik XVI, princesa Gwaelin, foi sequestrada pelo Dragonlord e seu paradeiro é desconhecido.

Quando o caos parecia não ter fim, o grande vidente Mahetta profetizou que um descendente de Erdrick surgiria para derrotar o mal e trazer de novo a paz para Alefgard.



Obviamente, o personagem do jogador é o herói da profecia, descendente do lendário Erdrick, o qual munido de inteligência, coragem e um estiloso elmo com chifres deve abrir caminho até Charlock através de ruínas sombrias, pântanos viperinos e hordas de inimigos que parecem saídos de um mangá shonen dos anos 80. Não é nenhum primor de criatividade, mas devemos lembrar que o jogo já tem quase 30 anos de existência,não devendo ser julgado exclusivamente pelos padrões de hoje.

Gráficos



Simples, com poucos detalhes, mas agradáveis. A sprite do herói é legal,com sua armadura azul escura. Os cenários passam bem a ideia de que tipo de ambiente eles representam. O destaque é para as imagens dos inimigos, durante os combates. Algumas são mais bem- feitas (a dos esqueletos é uma das minhas favoritas), outras são cartunescas, mais infanto-juvenil (como o fantasma laranja usando um chapéu de bruxa), outras bem simples (como os Drakee), mas todas agradáveis e esteticamente apreciáveis.

É interessante observar que as diferenças no cenário NÃO são meramente estéticas. Cada tipo de terreno tem sua peculiaridade:
  • Planícies/ gramados: Poucos monstros aleatórios atacam.Não afeta sua velocidade.
  • Florestas: Ataques de monstros são mais frequentes que nas planícies.Não afeta sua velocidade.
  • Montanhas marrons: Ataques são bem frequentes e sua velocidade é diminuída enquanto você as está cruzando.
  • Montanhas cinza: Intransponíveis. Funcionam como barreiras no mapa.
  • Pântanos: Terrenos venenosos! Seu personagem perderá HP ao perambular por eles e morrer intoxicado por um brejo fedorento provavelmente é a morte mais inglória que um heróis pode ter...
  • Pontes: Diversas partes do mapa são ligadas por pontes. ISSO NÃO É ALGO SIMPLESMENTE DECORATIVO. Ao cruzar uma ponte, os monstros e adversários presentes no outro lado serão mais fortes do que aqueles do lugar que você acabou de deixar.

Música e Efeitos Sonoros



Músicas típicas de jogos de RPG, com um tom mais épico e pseudo- medieval. Obviamente sofrem das grandes limitações da placa de som do NES, que faz com que as músicas tenham poucos acordes. Independente das limitações impostas pelo hardware são apreciáveis, mesmo que um pouco cansativas a longo prazo.

Os efeitos sonoros são simples. Cumprem bem sua função, sem maior destaque.

Controles e Jogabilidade



Por ser um JRPG com combates em turnos, a jogabilidade é bem simples e básica, quase minimalista, sem necessidade alguma de controles ultraprecisos.
Sobre os comandos. basicamente podemos resumi-los assim:

  • Direcional: Movimenta o herói pelo cenários, ou as setas de escolha pelos MENUS de comandos, combate & correlatos.
  • Botão A: Abre os MENUS e seleciona a opção desejada.
  • Botão B: Sai do MENU, fechando sua tela.
O MENU de Comandos tem algumas opções que podem soar esdrúxulas inicialmente, como "Door" ou "Stairs". A explicação é que o herói não desce automaticamente uma escada, por exemplo, ele deve ficar sobre ela,abrir o MENU e selecionar "Stairs" para trocar de tela! É bastante estranho, aborrecido e realmente leva um tempo para se acostumar, sendo um ponto muito desfavorável da programação do jogo.

As opções no Menu de comandos são:
  • TALK: Fique em frente a algum NPC e selecione esse comando para falar com ele.
  • STATUS: As estáticas e valores dos atributos de seu personagem ( Name/nome; Strength/ força; Agility/ agilidade; Máximum HP? Máximo de pontos de vida; Maximum MP? máximo de pontos de mana ou magia; Attack Power/ Poder de ataque ou ofensivo; Defense Power? poder de defesa ou defensivo; Weapon/ arma; Armor/ armadura; Shield/ Escudo)
  • STAIRS: Subir ou descer escadas. Fique sobre o ícone da escada e selecione essa opção.
  • DOOR: Abrir a porta em frente ao personagem, caso se tenha uma chave.
  • SPELL: Lista de feitiços. Alguns podem ser lançados fora de combate, como por exemplo HEAL.
  • ITEM: Use esse comando para utilizar algum item de seu inventário.
  • SEARCH: Busca. Use esse comando para examinar a área sobre a qual seu personagem está pisando no momento.
  • TAKE: Use esse comando para abrir as arcas e baús de tesouro e pegar itens. O personagem deve estar sobre o ícone da arca ou baú para o comando funcionar.


   O menu de combate não tem segredos e é bem intuitivo. Seus comandos são:
  • FIGHT: Ataca o oponente com a arma que seu personagem está equipado.
  • RUN: Opção usada para fugir da batalha. Quando maior a AGILITY, melhor funciona. Não é algo 100% confiável, já fique avisado.
  • SPELL: Uso de feitiços durante o combate.
  • ITEM: Utiliza algum item de seu inventário durante o combate.
Dificuldade


   O jogo é bem difícil e as pistas que os NPCs forncem para resolver os puzzles e enigmas por vezes são bem confusas. “Dragon Quest” foi um dos jogos que eu mais recorri a um FAQ/ detonado... talvez o que eu mais tenha recorrido! Seria um problema da tradução para o inglês? Não sei dizer...

   Outro ponto que pode trazer dificuldade é a imensa necessidade de ficar fazendo seu personagem subir de nível (grinding), através de combates e mais combates.Por muitas vezes você precisará ficar rodando pelo cenário perto de uma cidade que tenha Uma INN (local onde se recupera HP e MP em troca de alguma quantidade de GOLD/Ouro), lutando repetidamente, pois se você se aventurar muito longe, será facilmente morto.

   Isso torna o jogo bastante repetitivo em alguns momentos, e pode ser algo bem tedioso para alguns jogadores. O início é emblemático: seus momentos iniciais no jogo serão ficar perambulando perto da cidade de Brecconary, matando Slimes e Red Slimes, até subir alguns níveis e ter dinheiro para melhorar o equipamento. Se você tentar descer para a parte sul do cenário logo de cara, provavelmente será morto por um Drakee. Você odiará o Drakee, fique certo. Com certeza é um dos personagens de videogame que eu tenho mais raiva até hoje.



   O jogo disponibiliza uma série de itens, armas e equipamento para serem utilizados. procure SEMPRE se equipar o melhor possível. Isso fará toda a diferença quando você estiver longe da cidade, ou explorando algum labirinto ou dungeon. Os itens mais básicos do jogo são:
  • FIERY TORCH/ TORCH: ilumina ambientes escuros. Inusitado,não?
  • HERBS: Preparado de erva medicinal feito com raiz de mandrágora e artemísia pulverizadas e misturadas. Recupera um pouco de HP.  Não recomendo que você tente usar isso em casa,a menos que você seja do tipo que anda por aí com um capacete com chifres, saiote e um escudo pendurado nas costas.
  • WINGS: As asas fazem você retornar para o castelo, proporcionando uma fuga rápida.
  • DRAGON SCALE: a escama de dragão aumenta sua defesa. Não me pergunte como...
  • FAIRY WATER: Evita encontros com monstros enquanto você anda pelo mapa. Tem efeito limitado e não funciona contra oponentes realmente fortes ou poderosos. Obviamente algo com o nome de "Água de Fada" não pode ser lá muito útil...
  • MAGICAL KEYS/ KEYS: Chaves. Servem para abrir as portas durante o jogo. Que surpreendente... você não esperava por essa, não é? Fale a verdade!
   Para facilitar sua vida tenha sempre um bom estoque de HERBS e TORCHS e compre quantas KEYS você puder. É sempre bom ter pelo menos um par delas no inventário para qualquer eventualidade. Comprar e se equipar sempre com a melhor arma, armadura ou escudo disponível é um conselho tão básico que não vale a pena me estender nesse ponto- embora tenha acabado me estendendo... que praga...

Comentário Final


   Apesar desses de todos os seus vários senões e ser bastante datado, "Dragon Quest" vale o tempo de jogo investido- ainda mais se você é é fã de JRPGs e não se importa tanto gráficos de última geração. É um jogo que vale a pena ser jogado nem que seja apenas para conhecer e prestar homenagem ao avô de todos os jogos clássicos ou atuais desse gênero.

NOTA: 7,5


Nenhum comentário:

Postar um comentário