18 de mar de 2016

Legend



Mesmo tendo surgido nos anos 80, foram os anos 90 a era de ouro dos beat'em up, estilo de jogo que misturava luta com aventura. Dezenas de títulos diferentes saíram para as mais diferentes plataformas ano após ano, até o gênero se saturar e sair de evidência, com poucos títulos recentes lançados. 
O beat'em up típico era ambientado nos dias de hoje (quer dizer... de ontem... anos 90...) mas com alguns toques fantásticos (como a presença de robôs e/ ou ciborgues) em metrópolis caóticas dominadas pelo crime onde um grupo de indivíduos corajosos (fossem policiais, lutadores de artes marciais, ou até um prefeito que por alguma razão desconhecida acredita que andar de suspensórios e sem camisa por aí impõe respeito...) decidem resolver a questão com os próprios e dar um fim ao caos reinante, sendo "Final Fight" e "Streets of Rage" dois dos nomes mais consagrados nessa seara. A ambientação, entratanto, era bem variada... podia ser em um futuro próximo (como "Captain Commando") ou pós apocalíptico (Como "Cadillacs and Dinosaurs"); no Japão dos samurais (como "Mystical Fighter"); baseados em desenhos animados ( Como "The Simpsons" e "Teenage Mutant Ninja Turtles", lançado com um "2" após o título na versão do NES) ou quadrinhos ( como "X- Men"); em cenários de ficção científica (como "Alien Storm" e "MazinSaga") ou de fantasia medieval (como a série "Golden Axe" ou "Dungeons & Dragons: Shadow over Mystara"). Lançado em 1994 originalmente na Europa, chegando posteriormente aos EUA sem muito alarde ou repercussão para o SNES, "Legend" se encaixa nesse último tipo. Um jogo bastante obscuro, de fato, mas com qualidades o suficiente para criar sua pequena base de fãs nostálgicos.

História e Roteiro



A história de "Legend" parte de uma premissa típica dos quadrinhos, RPGs, animes  e livros de fantasia medieval dos anos 90: Um poderosos déspota, Beldor the magnificent (Beldor o magnífico, em tradução livre) reinou durante mil anos sobre o reino de Sellech.
Tudo era caos e destruição (o que, se levando em consideração que foi por mil anos seguidos, é realmente algo bem sério) até que muitos cavaleiros partiram em uma última cruzada para derrotar Beldor. Nenhum deles jamais retornou ( que coisa triste...).
As pessoas do reino se uniram e construíram "energized heroes" (heróis energizados... seja lá o que isso for...) e assim conseguiram aprisionar a alma de Beldor.
Tudo corria bem até que Clovis, o ambicioso e corrupto príncipe filho do rei de Sellech, deseja libertar o poder de Beldor e usá-lo para conquistar o reino (porque Clovis simplesmente não esperou receber o trono como legítima herança não se faz ideia...).
A única esperança de deter Clovis é o guerreiro Kaor, o genéric... digo, heróico protagonista do jogo. Munido apenas de sua espada e um escudo de bronze ( além de um coice que faria inveja a uma mula), o valente Kaor deve abrir caminho de uma ponta a outra do reino, cruzando florestas, pântanos, cidades, cavernas, ruínas, santuários e um velho moinho (não me pergunte nada...),enfrentando diversos inimigos, humanos ou não, até alcançar o corrompido Covis para um duelo final.

Gráficos



Os gráficos de "Legend" são bons, não ficando a dever para o padrão de qualidade da época, embora também sem nenhum brilho ou qualidade a mais. Levando em consideração que foi um jogo feito por uma equipe bem reduzida, o trabalho nos gráficos é bastante louvável. 
Os sprites do guerreiro Kaor e de seu aliado que luta com machado (caso o jogo tenha dois jogadores) são bons, bem proporcionais e detalhados até nos rostos, embora mais puxados para o cartunesco do que para o realista. Lembra um pouco o character design dos personagens de "Dungeons & Dragons: Shadow over Mystara" ou de algumas histórias em quadrinho dos anos 90. O mesmo vale para o visual dos inimigos... lanceiros que lembram orcs, espadachins com aparência de sarracenos, feiticeiros encapuzados, homens das cavernas, monstros de lama, esqueletos com restos de armadura ainda pendendo dos ossos, carrascos com machados... todos são bemd esenhados. O que de pior pode ser dito deles é que parecem simplesmente saído de alguma aventura de AD & D qualquer, sendo apenas típicos inimigos de um cenário de fantasia medieval.
O visual dos chefes e subchefes de fase é mais caprichado. Gosto em especial do dragão perto do final do jogo e do feiticeiro das trevas. Clovis, o chefe final do jogo, parece algo como um gigantesco guerreiro mongol ou tártaro, mas de fato não tem a mesma presença de um Death Adder do "Golden Axe", parecendo um chefe de fase qualquer.
Os cenários são bonitos, bem desenhados e razoavelmente variados, com alguns elementos, como colunas , dando impressão de profundidade ao fundo e na frente da tela. Todos tem um quê de cenário de RPG dos anos 90, o que para mim é uma vantagem e uma qualidade, não o contrário. 


Música e Efeitos Sonoros



"Legend" apenas cumpre o básico nesse quesito. A música da tela de abertura, de inspiração medieval, é agradável mas torna-se repetitiva em pouco tempo, o mesmo podendo ser dito para a música do encerramento- bem similar a da abertura, por sinal.
A música durante o jogo é um tanto genérica, não colaborando para o clima medieval fantástico do jogo. Não é ruim, sendo até bem razoável, mas podia estar em qualquer outro jogo que não faria muita diferença, não tendo muita identidade.
Os efeitos sonoros, levando em consideração a época do jogo, não são muito numeros mas são bons. O latido dos cães de guarda é o que primeiro me vem a cabeça. Em geral os personagens gritam quando morrem e temos os sons básicos de baús quebrando e itens sendo apanhados do chão.

Controles e Jogabilidade



A jogabilidade, e mesmo os controles, são um tanto truncados para os padrões de hoje, mas nos anos 90 não estavam fora do normal. Não são, entretanto, algo que realmente atrapalhe o jogo. O pessoal que não jogava nos anos 90 pode sentir um pouco de dificuldade no começo até se adaptarem.

* Botão direcional: Kaor anda na direção selecionada. Ele é capaz de andar nas quatro direções cardinais.
* A: Uso de Magia. São necessários dois frascos para usar o feitiço. Caso se tenha apenas um, não será possível utilizar esse ataque. Existem vários tipos de ataques mágicos diferentes mas até onde vi todos causam o mesmo dano, sendo apenas uma diferença estética.
* B: saltar
* X: Movimento especial. Kaor arremesa algo em seus oponenetes. É um ataque poderoso mas use com parcimônia, pois tem um custo na barra de vida de Kaor para ser ativado.
*Y: Ataque. kaor ataca com sua espada. O player 2 está armado com um machado, mas é uma alteração meramente estética. Ambas as armas tem o mesmo alcance e o mesmo dano.
* L ou R: Usa o escudo de bronze para bloquear ataques
* Select: Pausa o jogo
* Start: usado em alguns momentos durante o jogo para dar prosseguimento.

* B + Y: Kaor salta e golpeia com a espada em pleno ar
* B + direcional para direito ou esquerda = Y: Voadora. Ataque muito útil no correr do jogo.
* direcional para o lado oposto que Kaor está olhando + Y: Kaor gira o corpo e golpeia o inimigo que está às suas costas com a espada. É útil, mas mais complicado de ser usado que a voadora.

Dificuldade

"Legend" não é um jogo difícil, podendo até ser considerado fácil para os padrões da época. Mesmo as lutas contra os subchefes e chefes de fase são menos difícieis que a média dos beat'em up (quem já enfrentou Abigail ou Rolento na série "Final Fight" notará a diferença). Parte dessa facilidade deve-se a IA (inteligência artificial) limitada dos inimigos.
A curva de aprendizado é rápida e o jogo pode ser vencido em poucas jogadas. Venci-o em cerca de duas horas de jogo, sem maiores problemas. O que concede a "Legend" uma sobrevida após ser vencido é a opção para dois jogadores, que torna o jogo bem divertido, ainda mais quando jogado no nível de dificuldade mais difícil.

Um pequeno diferencial que "Legend" tem é que existe uma fase, a da masmorra, que o jogador só terá que passar caso Kaor seja capturado pelo carrasco munido de uma rede de combate. A fase é uma das mais difíceis do jogo e tem dois chefes a serem enfrentados, um sujeito gigantesco que luta desarmado e o executor chefe.

Durante o jogo existem diversos itens que podem auxiliar o jogador:

*Gold (ouro): Funciona como pontos. Sem grande utilidade em termos práticos.
* Pão ou carne: Comida recupera energia de Kaor. O pão recupera um pouco mais que o naco de carne.
* Key (chave): Abre os baús em determinados momentos do jogo
* 1 UP: Uma vida extra.
* Money bag: (saco de dinheiro): Dá 50 de ouro
* Necklace (colar): Dá 100 de ouro.
* Lighting Orb (orbe luminoso): Fornece um "S" para o jogador. Ao se perder todas as vidas, o "S" some e o jogador recebe automaticamente 3 vidas novas. Funciona como um "Continue" instantâneo.
* Leather Bag (bolsa de couro): Dão 1 ponto de magia cada.

Todo inimigo (exceto os chefes) deixam um item aleatório ao morrerem. Barris podem ser quebrados para se encontrar itens dentro. Um item diferenciado é o mapa, dado ao personagem pelo velho mago ao se terminar a primeira fase, sendo utilizado a partir de então para mostrar o caminho de Kaor de local a local.

Comentário Final



Um jogo bem divertido, embora não um grande desafio. "Legend" é uma ótima pedida para os fãs de beat'em ups ou de jogos de fantasia medieval. Provavelmente não será o jogo mais marcante de sua vida, mas vai proporcionar bons momentos, em especial para aqueles que tem o tempero adicional da nostalgia.
E vale a pena apontar que, mesmo sendo passado em um ambiente medieval fantástico, "Legend" conseguiu incluir (de alguma forma....) os tradicionais elevadores, presentes em quase tudo que é jogo de beat'em up.
Atualmente o jogo está disponível para venda na loja virtual Steam a um preço bem acessível, trazido pela empresa Piko Interactive, possuindo como novidade a possibilidade de se salvar o andamento do jogo, algo que não existia no original.

NOTA: 7,5







Nenhum comentário:

Postar um comentário