1 de mai de 2014

Kenseiden


   Nos anos 90, durante a acirrada briga entre Nintendo e Sega, um bom jogo que fosse lançado para um dos consoles e não recebesse uma versão no sistema rival tornava-se um espinho no pé do jogador não contemplado. “Kenseiden” do Master System é um bom exemplo disso, tendo feito muito dono de NES-clone da época ficar de cara feia.
   Lançado originalmente no Japão em 1988, “Kenseiden” chegou ao ocidente ainda no mesmo ano, sofrendo uma pequena modificação: o cabelo do herói do jogo, Hayato, teve sua cor original alterada, passando de louro para um tom negro considerado mais adequado a um samurai japonês.
   Até hoje foi uma das poucas alterações feitas nos EUA que achei que faz algum sentido


História e Roteiro



   Roteiro épico típico dos anos 80. Prato cheio para quem é fã do gênero. Coloque uma música oriental tocada em flauta de bambu para tocar e deixe sua mente voltar até o Japão feudal, terra de samurais e onis...
   Era um tempo de paz e fartura para aquela terra, até uma nuvem de destruição e ruína abater-se sobre tudo e todos.  Os cinco maléficos warlocks retornaram (sabe-se lá de onde...) e castigam o Japão com seus poderes e servos sobrenaturais.
   Em busca de mais poder, os cinco warlocks conseguem se apoderar da Espada do Rei Dragão/ Sword of the Dragon King e dos cinco pergaminhos secretos/ Five SecretScrolls, herança do guerreiro Hayato, em cujas veias corre o sangue do dragão (seja lá o que isso signifique...).
   Decidido a recuperar o que por direito é seu e a livrar o arquipélago japonês do terror (não necessariamente nessa ordem...) o jovem samurai parte em uma longa jornada por dezesseis províncias do Japão antigo, munido apenas de uma katana e coragem, vagando por florestas de bambu (afinal, esse jogo é passado no antigo oriente, ora), templos, cavernas e dojos, caçando cada warlock um a um até encontrar o mestre feiticeiro Yonensai para um combate de vida ou morte- o que é bem óbvio... esperava que ele fizesse o que? Jogasse Jo Ken Pô?
   Se bem que isso não é lá uma ideia tão impossível assim nos tempos de poucos bits...

Gráficos



   Muito bons desde a tela de abertura, com ideogramas formando o nome do jogo ao centro e a imagem de um kami/divindade japonesa ( acredito que seja Ashura, uma divindade ligada a guerra) no canto direito.
   Os sprites dos personagens e os cenários são bem desenhados e cheios de detalhes. Hayato, em especial, tem um sprite muito bem feito, com detalhes como roupas e o cabelo preso bem definidos. Os golpes de Hayato também são bem vistosos, em especial o golpe que ele desfere quando agachado.
   Por sua vez os warlocks são, em geral, bem grandes e com um visual bem trabalhado, enquanto os inimigos de fase não ficam para trás. Gosto em especial do oponente encapuzado armado com uma corrente e foice e do guerreiro sem face usando uma armadura que dispara bolas de energia.
   Os cenários tem um tom um tanto sombrio, com cores predominantemente mais escuras, que encaixa bem com a história e cria um clima adequado para o jogo. São bem variados e todos lembram filmes de samurai ou animes de luta e/ou sobrenatural. O da primeira fase, uma aldeia arruinada em meio a uma floresta de bambus, é um dos mais legais e faz o jogo começar com o pé direito.
   O esmero gráfico, entretanto, cobra seu preço devido as limitações do hardware do Master System...

Música e Efeitos Sonoros


   Boas músicas. Gosto em especial da música em que aparece o mapa e da música da tela de abertura, ambas com um toque oriental. As músicas de fase são mais movimentadas, embalando a ação do estágio.
   Comparado às músicas, o jogo possui efeitos sonoros limitados, mas que não comprometem a qualidade geral do conjunto.

Controles e Jogabilidade

   Aqui vem um dos pontos fracos do jogo... devido aos gráficos caprichados e com sprites grandes, a velocidade do protagonista saiu bem prejudicada. Apesar da pose de estar correndo em alta velocidade, Hayato na verdade se desloca um tanto lentamente. Os saltos no decorrer do jogo vão requerer atenção especial também.



   Existem alguns pequenos truques nos comandos do personagem,como a forma de assumir a posição defensiva. De forma detalhada temos:

  • Direcional para Esquerda e Direita: Move Hayato nessa direção
  • Direcional para Cima: Entra em prédios ou passagens e sobe escadas.
  • Direcional para Baixo: Desce escadas. Hayato também assume a posição de agachado, e pode assumir a posição defensiva.
  • Botão 1: Ataque com a espada
  • Botão 2: Salto
  • Direcional para Baixo e mantendo botão 1 pressionado: Hayato assume posição defensiva.



   Conforme os warlocks foram derrotados Hayato recuperará os secret scrolls/ pergaminhos secretos, cada com conferindo uma habilidade diferente e que para ser realizado envolve uma combinação de botões diferentes. A primeira habilidade adquirida, por exemplo, é o High Jump/ Salto Alto e é acionado ao se pressionar direcional para cima + Botão 2.

Dificuldade



   “Kenseiden” é um jogo bastante difícil, ao ponto de ser frustrante em alguns momentos. A curva de dificuldade não é bem balanceada e cresce vertiginosamente após os dois primeiros estágios. Inicialmente o jogador conta com 3 vidas, sendo uma delas perdida sempre que a barra de energia de Hayato chegar ao fim. No começo do jogo não existem continues disponíveis.
   Existem alguns Salões de Treino/ Training Rounds no decorrer do jogo. Se o jogador conseguir passar pelo estágio, terá sua barra de vida ligeiramente aumentada e ganhará algum talismã de proteção. Além disso o jogo conta com vários itens e Power Ups para ajudar o jogador, mas mesmo assim não é muito fácil progredir pelas várias fases:

  • Hyotan/ Gourd of Life: Uma cabaça com um líquido revigorante. Recuperará parte da energia do guerreiro.
  • Katana/ Sword: Ao coletar essas espadas existentes em alguns cenários, os golpes de Hayato causarão mais dano.
  • Inro/ Medicine Case: Caixa de Remédios. Recuperará totalmente a energia do jogador assim que ela chegar a zero, evitando a perda de uma vida.
  • Omamori/ Talisman of Protection: Talismãs de proteção. Aumentam a defesa de Hayato. Vem em duas cores,  vermelho e azul, sendo o azul mais forte. Ambos podem ser usados ao mesmo tempo, fornecendo ainda mais proteção.
  • Kokeshi/ Wooden Dool: Tradicional boneca de madeira japonesa. Confere uma vida extra.
  • Hidensho/ Secret Scroll: Como dito antes, conferem habilidades especiais.
  • Nikki/ Diary: Um diário. Confere um continue. Use o botão direcional para escolher essa opção e aperte o Botão 1 para selecioná-la.
   O jogo possui no total 16 estágios, que podem ser jogados de forma não linear, pois você pode escolher ir para qualquer cenário que seja fronteiriço com o que acabou de passar. O estágio final é o 16, Edo, onde se localiza o Black Magic Castle/ Castelo da Magia Negra. Cada estágio tem o nome de uma província japonesa antiga. A relação abaixo mostra qual nome se liga cada um dos kanjis mostrado no mapa.


Comentário Final

   Jogo muito bom, apesar da alta dificuldade fazer com que possa ser um tanto cansativo às vezes. Foi sem dúvida uma ótima aquisição para a biblioteca de jogos do Master System na época, em especial para quem gosta de jogos de aventura e artes marciais. 



   Seu aspecto que envelheceu mais foi a jogabilidade, sendo que a relativa lentidão do protagonista pode exasperar jogadores mais novos, mas no geral possui uma boa combinação de gráficos, história, música e diversão.  Recomendado a todos que gostem de jogos de aventura estilo plataforma, jogos de luta e artes marciais, mitologia oriental e de uma pitada de misticismo ou sobrenatural nas histórias. Quem curte animes e mangás dos anos 80 e 90 provavelmente vai gostar também.

NOTA: 8,0

Curiosidade 1: Ainda em 1988 "Kenseiden" foi lançado na Coréia do Sul com o nome de "Hwarang-ui Geom", tendo o mapa do jogo sido alterado para representar o antigo território coreano e o sprite do  protagonista modificado para se parecer com um guerreiro coreano tradicional.

Curiosidade 2: Alex Kidd faz uma pequena participação especial no jogo, seu rosto aparecendo na parede da caverna do estágio 3, Nagato:


Nenhum comentário:

Postar um comentário